sexta-feira, 31 de julho de 2009

Lula reajusta valor do Bolsa Família

Valor básico passa, a partir do dia 1º de setembro, de R$ 62 para R$ 68, e benefício variável passa de R$ 20 para R$ 22
O governo federal reajustou em 9,68% o valor do benefício do programa Bolsa Família. O decreto presidencial foi publicado nesta sexta-feira (31) no "Diário Oficial" da União.
O valor básico do benefício passa, a partir do dia 1º de setembro, de R$ 62 para R$ 68, e o benefício variável, pago de acordo com o número de crianças, passa de R$ 20 para R$ 22.
O benefício vinculado aos adolescentes, que era de R$ 30, passa para R$ 33, até o limite de R$ 66 por família.
Principal programa social do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Bolsa Família atende mais de 11 milhões de famílias em situação de pobreza e extrema pobreza, caracterizadas pela renda familiar mensal per capita entre R$ 140 e R$ 70, respectivamente.
Há duas semanas, em evento com prefeitos, Lula indicou que estudará a possibilidade de tornar programas como este em conquistas definitivas. Isto é, que não houvesse mais a necessidade de negociar o valor dos benefícios.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Sarney vai discutir renúncia da presidência com Lula

Com informações da Folha Online.
A pressão da família é para que o presidente do Senado, José Sarney, renuncie. Ele vem sendo alvejado diariamente com novas denúncias que o comprometem e apontam irregularidades. E essa decisão pode ser tomada na próxima semana. Assim que o Congresso Nacional retomar os trabalhos, Sarney promete se encontrar para conversar com o presidente Lula.
Os dois já andaram se falando nos últimos dias ao telefone. Lula continua insistindo para que Sarney não deixe o comando da Casa. Já o peemedebista teria dito que não deseja renunciar nem cogita pedir licença mas, para isso, precisaria de muito apoio.
De acordo com a Folha, o filho do senador, Fernando Sarney, viaja hoje para São Paulo, onde Sarney acompanha o pós-operatório da mulher, para convencer o pai a renunciar.
Até agora, o parlamentar é alvo de 11 reclamações no Conselho de Ética. São cinco representações e seis denúncias. Se forem acatadas, as investigações podem resultar na perda do mandato.

Presidente Lula regulamenta profissão de mototaxista

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou ontem (29/07) lei que regulamenta a profissão de mototaxista no país.
Depois que o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) definir os últimos detalhes, caberá aos municípios autorizarem ou não o serviço.
O texto do projeto, que tramitava há oito anos no Senado, regulamenta também as profissões de motoboy e motovigia, que presta serviço de segurança comunitária.
A nova lei determina que, para exercer essas atividades, o motociclista precisa ter no mínimo 21 anos, habilitação na categoria A (de motos) há pelo menos dois anos e um curso de especialização, que ainda será regulamentado pelo Contran.
A lei foi sancionada mesmo diante da pressão de entidades ligadas à segurança no trânsito e do Ministério da Saúde, que apontou problemas no uso coletivo de capacetes.
O presidente vetou apenas um artigo - o que estabelecia obrigações para os seguranças motorizados, como acompanhar o fechamento dos portões das casas ou avisar anormalidades à polícia. “Esse é um critério contratual, não de legislação. Por isso, houve o veto”, explicou o ministro das Cidades, Márcio Fortes.
Sobre o artigo mais polêmico da lei, que trata dos mototáxis, o ministro defende que qualquer cidade brasileira pode adotar o serviço, desde que esses profissionais respeitem as regras de trânsito. “Se ele exercer a profissão de forma consciente, não tem problema”.
Estão previstas adaptações nas motos, incluindo antenas corta-pipas e barra protetora de pernas - o chamado mata-cachorro.
O piloto deverá usar ainda colete com dispositivos refletivos. Segundo o ministro Márcio Fortes, haverá um prazo de um ano para que os profissionais se adaptem às novas regras. “Ao sancionar a lei, a motivação foi não fechar os olhos à realidade.
Mototáxi e motoboy são atividades que já existem e a prevenção é regulamentar para evitar que sejam exercidas de maneira diferenciada”, afirmou.
O ministro disse que o modelo de curso ainda não foi definido, mas isso será feito o mais breve possível. Ao anunciar a sanção, Fortes disse que a atividade de motovigia — vetada pelo presidente — não deve ser tratada em lei, mas em contratos privados de segurança.

Marina Silva com um pé no PV

O desdém do PT com a senadora Marina Silva (PT-AC) pode custar caro ao partido a saída dela da legenda.
A parlamentar, ex-ministra do Meio Ambiente, iniciou conversações sérias para se filiar ao PV.
O primeiro encontro ocorreu ontem (29/07). A negociação ainda é incipiente, mas a legenda sonha em ver Marina disputando o Palácio do Planalto ou reeleita senadora pela sigla, em 2010. Para tanto, ela teria de anunciar a mudança até setembro - prazo para troca de partido tendo em vista as próximas eleições.
Símbolo da ala ambiental do PT, ela teria postura independente no novo partido.
A relação entre Marina e o PT se deteriora a olhos vistos, desde a época em que ela ainda era a ministra do Meio Ambiente. No fim de sua passagem pela pasta, e até mesmo como senadora, a parlamentar acriana foi desmoralizada publicamente pelo governo, mais do que qualquer ministro que tenha passado pela Esplanada dos Ministérios desde a primeira posse de Lula, em 2003. A pá de cal na relação entre o partido e a senadora foram a aprovação da MP 458, que prevê a regularização fundiária de 67 milhões de hectares da Amazônia, e o enquadramento imposto pelo Palácio do Planalto aos senadores petistas no caso Sarney.
Veja a aqui biografia de Marina Silva

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Marolinha sim, por que não?

Natalia Pacheco, JB Online
“Muitos economistas e banqueiros não acreditavam na recuperação brasileira depois da crise financeira internacional. Mas, ao que tudo indica, as opiniões hoje são outras. Segundo especialistas, o país iniciou uma retomada no início do segundo trimestre deste ano e deve crescer cerca de 2% em relação aos primeiros três meses de 2009.
A economista da Tendências Consultoria, Marcela Prada, por exemplo, diz que o comércio brasileiro já recuperou o patamar pré-crise e prevê alta de 0,3% de abril a maio deste ano. O ritmo positivo do varejo no período deve-se ao corte do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos, materiais de construção civil e eletrodomésticos e a retomada de crédito no mercado, em função das sucessivas quedas de juros.
Os responsáveis pelo aquecimento seriam o consumo das famílias e os pacotes fiscais do governo, como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o de habitação Minha Casa, Minha Vida. O economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio, Carlos Thadeu de Freitas, é um dos que atribuem a queda da desaceleração da massa salarial à alta do consumo. A estabilidade dos salários, nesse caso, só foi possível por causa da queda dos preços.
– Não há dúvida que a economia está em ascendência. O Produto Interno Bruto (PIB) deve fechar entre 0 e 1% neste ano. O que é excelente diante do cenário internacional – analisou.”
Artigo Completo, ::Aqui::

terça-feira, 28 de julho de 2009

Lixo produzido por Jô Soares para beneficiar Serra vira sensação do PIG

Um programa do Jô montado para beneficiar Serra, vem sendo a sensação dos demos/tucanos na net. Usaram muito bem, como sempre fizeram o direitão Jô Soares e pseudo intelectual Carlos Vereza, defensor intransigente da direita brasileira.
No inicio da entrevista, o ator elogia ´As meninas do Jô´, dizendo que tratou-se de um momento único na história do país, um ´momento de tribuna livre´, ao criticarem o mensalão.
Realmente, eu me lembro de ter visto algumas entrevistas, e realmente depois de o presidente Lula ter fechado o congresso Nacional, ter estatizado todos os meios de comunicação, ter nomeado prefeitos e governadores biônicos, o único lugar onde a liberdade de impressa sobreviveu foi no programa do Jô Soares.
Eu me recordo do Bom Dia Brasil, Jornal Nacional, Jornal da Noite, Veja, Folha de São Paulo, O Globo, OESP, UOL, Istoé, Carta Capital, Época e todos eles eram só elogios ao governo Lula, por isto ele não caiu, foi protegido pelos meios de comunicação, segundo ironizou Paulo Silva.
"Um delírio! Depois disto, ele elogia a coragem da Regina Duarte, que tinha medo do, à época, possível governo Lula. Ai ele escorrega e confessa que deu apoio ao então candidato José Serra, apoio discreto segundo ele, e ele sai dizendo que o mesmo representa a verdadeira esquerda, aquela que não é refém do muro de Berlim. Uma maravilha isto, o Serra na oposição, a esquerda acossada, criticada pelos meios de comunicação. Eu tô maluco!!! Ôôô, eu tô maluco!!
Ele então diz que o Lula foi inventado pela USP, Unicamp e Comunidades Eclesiais de Base, com o aval do Golbery do Couto e Silva. Segundo ele, o presidente Lula teria dividido a esquerda, aquela formada por Luiz Carlos Prestes, Leonel Brizola e outros que se sacrificaram na Luta contra a ditadura e que foram exilados. Lula teria se transformado na glamurização do apedeuta e da ignorância, no ´border line´, um sujeito fronteiriço, segundo o ator. Segundo ele ainda, o presidente Lula abdica para si mesmo o direito de ter feito mais pelo trabalhador na história deste país, o que seria um delírio, uma megalomania. Ai ele dá aquela travada, o discurso morre, sem consistência, sem dados para corroborar com sua verborragia, mas tem a claque, que entra aplaudindo. Sinceramente, dificil analisar este trecho, sem olhar os números. O governo do presidente Lula tem trazido beneficios para a população, se é o maior ou não só comparando os números, deixe a história falar por si mesma.
O mundo atravessa uma de suas maiores crises econômicas, que já dura mais de um ano, e o Brasil reduz desemprego e aumenta renda. O que mais posso dizer?
Mudando de assunto, o Jô pergunta se ele nunca foi atraído pelo PT, ao que ele responde que o PT nunca o enganou. O apoio que ele deu ao partido sempre foi em alerta, como um escoteiro. Segundo ele, o partido foi contra todas as tentativas de boas e generosas que se tentou colocar em prática neste país, tendo sido a oposição mais feroz, cruel e desonesta que se teve no país, segundo o mesmo. E que nós fazíamos muito barulho, levavamos apito, batíamos na bancada do congresso e usávamos o discurso da ética, moralidade e da virtude, como se fossemos os proprietários únicos destes valores. E engraçado, ao chegar ao poder, apenas chegamos sem projeto de poder. Mas ai o Jô tenta ajudar dizendo que nosso projeto era apenas o poder. Com isto ele consegue segurar o seu discurso vazio novamente, e dizer que o projeto era para que Lula ficasse 8 anos, o outro mais 8, ai o Lula volta para mais 8 anos e assim por diante. Eu não entendo a oposição, é óbvio que os partidos políticos existem para lutar pelo poder, poder que lhes permitirá implementar sua visão de mundo. E portanto, devem lutar sim por permanecer por mais tempo possível, democraticamente, no poder. O povo deverá decidir se merecem ficar ou não. O governo anterior não foi digno da confiança popular e não ganhou. Vamos ver o desempenho dos partidos nesta eleição, o PT será o maior vitorioso, para desespero dos que não gostam da gente.Como o ator é muito culto, ele entra também no campo da política internacional, e abre criticando a América Latina que estaria dando não uma guinada a esquerda, mas ao populismo e autoritarismo, esta seria a verdade, segundo ele. A claque entra e aplaude, novamente para esconder a fraqueza do discurso. Um populismo pior do que Getúlio e Peron, devido à época e segundo eles devido ao acesso que temos aos meios de comunicação. Populistas que segundo eles mentem muito, mas não tem coragem de citar nenhuma mentira, ninguém. Eu creio que é chegada a hora da população da América Latina fazer a sua história,, deixem a democracia funcionar. Evo Morales venceu, a oposição deve se opor, mas sem avançar os limites da democracia. O mesmo vale para os outros países. Tentaram tomar o poder na Venezuela, errado, respeitem a democracia. Nem tentaram isto no Brasil, ainda bem. Deixem a democracia funcionar.O ator e o apresentador voltam ao cenários nacional, e os intriga o fato de que apesar de 40 pessoas terem sido denunciadas no mensalão, ninguém faz nada. Carlos Vereza então faz o fechamento para a claque, segundo ele o promotor prendeu os 40, ficou faltando o Ali Babá, advinhem quem seria, e provoca dizendo que o presidente Lula que gosta tanto de metáforas pode tentar adinhar. Eles gostariam mesmo é que o presidente fechasse o Legislativo, o Congresso e prendessem todo mundo, mandasse todos para o pau-de-arara. Mas não o presidente que aí está, este não poderia fazer isto. Para estas críticas ao presidente Lula, eu recomendo ouvirem o discurso do mesmo na conferencia da ONU, ocorrida semana passada. Esta ali representado o verdadeiro estadista, o resto é oposição.
Depois de analisar este vídeo, eu fiquei triste. Eu que estou tão feliz com o momento que o Brasil atravessa fiquei triste. Fiquei triste porque não vejo uma articulação possível contra Lula. Seria bom que tivéssemos uma oposição menos golpista e mais atuante, que pegasse suas bandeiras, suas cornetas e fossem para as ruas. Mas nós estamos sem isto, quem está fora do governo teria apoiado políticas como as que levaram o EUA ao problema dos suprimes, teria levado o Brasil a um endividamento maior, a um aumento no número de pobres, ao aumento do desemprego, ao sucateamento da indústria nacional, ao alinhamento político na guerra contra o Iraque, e Afeganistão. Estas pessoas teriam invadido a Venezuela, o Haiti, a Bolívia, e mais recentemente o Equador. Estas pessoas teriam impedido o comercio exterior do Brasil de se expandir com os países mais pobres, com a China, com o oriente médio. Eles teriam impedido a criação da Unasul, do fundo soberano. Eles teriam impedido a integração regional, os planos de integração por estradas, portos e aeroportos. Eles teriam impedido ao Brasil de cuidar dos mais pobres, de fazer política para quem mais precisa. Eles teriam impedido o Luz para Todos, o Bolsa Família, o Prouni.
A nossa oposição fala em ética, e quando no governo não prendeu ninguém. Engavetou tudo, eu fico triste.
Fico triste também pelos amigos que ainda não acordaram".
Veja aqui o lixo produzido por Jô Soares para a campanha de Serra

segunda-feira, 27 de julho de 2009

PT quer palanque único nos Estados

Comando nacional se prepara para reforçar a estratégia de palanque único e conta com a interferência direta de Lula

O lançamento da pré-candidatura do ministro da Justiça, Tarso Genro (PT), a governador no Rio Grande do Sul evidenciou a divisão da base do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Estado e estimulou outros governistas a levarem adiante seus planos de oferecer mais de um palanque regional à ministra Dilma Rousseff. É o caso do ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), na Bahia, e do prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Faria (PT), no Rio de Janeiro. Por outro lado, o comando nacional do PT se prepara para reforçar a estratégia de um palanque único em cada Estado e conta com a interferência direta de Lula para resolver os impasses.

“O ideal é o palanque unificado, mas sabemos que há Estados onde é impossível um acordo. Do ponto de vista político, (a disputa entre candidatos pró-Dilma nos Estados) tem o lado positivo de alcançar eleitores de perfis diferentes, com visões antagônicas. Mas o conflito entre aliados, até na disputa pela agenda do candidato à Presidência, não é bom”, diz o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP).

Itamar Volta para ficar ao lado do seu “desafeto” FHC

Após mais de dez anos afastado da linha do cenário político e ficar três anos sem partido, depois de algumas passagens melancólicas pelo MDB, PMDB, PL, PRN... o ex-presidente Itamar Franco, retornou as lides políticas e filiou-se ao PPS. Na cerimônia de filiação criticou o presidente Lula e o PT e fez elogios para Aécio Neves e calou-se sobre seu desafeto FHC. Itamar Franco ficou conhecido no mundo por causa daquele episódio da modelo Lilian Ramos sem calcinha ao seu lado, no camarote da Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro em 1994, já que o Plano Real que ele tanto vangloria, foi batizado por Fernando Henrique Cardoso. Agora, depois de perder a indicação para disputar a Presidência da República em 2006 para Antthony Garotinho e o Senado para Newton Cardoso e debandar de vez para o lado de FHC, apoiando inclusive Geraldo Alckimin à Presidência da República, Itamar pensa voltar novamente para vida pública pelas mãos de Aécio Neves que, diga-se de passagem, abonou indiretamente sua ficha de filiação ao PPS. Mesmo sendo um mero capacho do menino do Rio que governa Minas, não custa lembrar que a qualquer momento ele poderá dá um piti, chutar o balde e esconder em algum lugar em Juiz de Fora.

domingo, 26 de julho de 2009

Campanha do Governo Federal mostra que o Brasil mudou para melhor

Com o tema central “Se existe um país que mudou para melhor é o nosso”, a campanha publicitária exibe alguns dos exemplos de avanços do Brasil em diversos setores. O Programa Bolsa Família é um dos destaques.
Redução da pobreza em 30%; 13,5 milhões de novas oportunidades de trabalho (10,5 milhões de empregos formais); e aumento real do salário mínimo 65% acima da inflação, em seis anos. Esses são apenas alguns dos exemplos de avanços do Brasil em diversos setores, mostrados pela campanha publicitária que o Governo Federal acaba de lançar, composta de seis filmes de 30 e 60 segundos, sete anúncios para revistas e jornais, e dois spots para rádio.
As imagens destacam também a redução da pobreza e o Programa Bolsa Família, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), e considerado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como o maior programa de distribuição de renda com condicionalidades do mundo. Atualmente, o Bolsa Família beneficia 11,4 milhões de famílias brasileiras.A campanha informa ainda que, nos últimos cinco anos, a pobreza extrema no Brasil diminuiu em 44%, a desnutrição infantil teve uma redução de 68%, e o número de estudantes em Universidades foi ampliado em 1,3 milhão. No hotsite http://www.confiancanobrasil.com.br/, podem ser obtidas informações sobre crédito, emprego, saúde, previdência, entre outras, tais como o aumento do consumo das famílias pelo quinto ano consecutivo e 90% de crescimento no número de computadores nos domicílios, em cinco anos.
Os filmes trazem depoimentos de cidadãos comuns - testemunhas de que o Brasil melhorou. Eles relatam melhorias nas condições de vida em setores como agricultura familiar, aposentadoria e salário mínimo.
Fonte: Ascom/MDS

Não mais “tempo de homens partidos”

Alceu Amoroso Lima, sempre uma inspiração para o trabalho e compromisso com os pobres, dizia que devíamos substituir a disjuntiva “ou” pela conjuntiva “e”. A disjuntiva separa: ou isto ou aquilo, como se as coisas fossem sempre opostas. O “e” une, na perspectiva da cooperação, da integração, da complementação.
A experiência histórica do Brasil comprova a importância desse ensinamento do mestre Alceu. Durante muito tempo vivemos a separação: ou o desenvolvimento econômico ou políticas de inclusão e justiça social. Como se o desenvolvimento econômico fosse incompatível com as políticas de distribuição de renda e de melhoria efetiva das condições de vida das populações mais empobrecidas. Por muito tempo vivemos esse mito desagregador. Assim, o país cresceu muito no século 20, mas não garantiu a sustentabilidade social e ambiental desse crescimento exatamente porque não integrou os pobres nesse desenvolvimento, não garantiu, portanto, a inclusão dos pobres.
Hoje estamos vendo que é exatamente o contrário. É preciso crescer, sim, para distribuir. O crescimento econômico é condição básica para distribuição de renda, porém não suficiente. É preciso, para distribuir renda, adotar, como estamos fazendo, vigorosas políticas sociais que devem ser cada vez mais institucionalizadas, colocadas no campo das políticas de estado, de direitos e deveres. Estamos vendo, com a experiência concreta da rede nacional de proteção e promoção social, que estamos consolidando no Brasil, especialmente por meio de políticas públicas de transferência de renda de grande alcance, como o programa Bolsa Família, que as políticas sociais têm amplos alcances. Além da dimensão ética, humanitária, de assegurar direitos e integrar pessoas, famílias e comunidades mais pobres no projeto nacional, as políticas sociais têm ainda uma dimensão prática, econômica.
Leia aqui o artigo completo do Ministro Patrus Ananias

sábado, 25 de julho de 2009

Ex-repórter da Itatiaia admite que era fantasma de Hélio Costa

A jornalista Leid Carvalho confirmou que esteve lotada no gabinete do senador Hélio Costa enquanto atuava como correspondente da Rádio Itatiaia em Brasília, conforme noticiou em primeira mão o Blog do Pannunzio. Ela disse jamais prestou qualquer tipo de serviço para Hélio Costa.
"Eu mantinha com o senador uma relação normal, de repórter e fonte", diz a jornalista, que hoje é sócia de duas emissoras no interior de Minas Gerais.
De acordo com Leid Carvalho, a nomeação para o gabinete do atual Ministro das Comunicações no Senado foi feita por ordem da diretoria da Rádio Itatiaia. Sem dar detalhes, ela afirmou que a emissora foi quem providenciou inclusive a parte burocrática. "Eles tinham todos os meus documentos lá". A ordem, segundo ela, partiu de um dos diretores da rede de rádio, que Leid preferiu não nominar."Eu sabia que havia alguma coisa muito errada. Foi por isso que decidi pedir demissão e sair de Brasília", afirma Leid. "Sempre tive uma pulga atrás da orelha. Sabia que uma hora isso viria a público".
É a primeira vez, desde que surgiram denúncias de nomeações por atos secretos, que aparece uma suspeita de que empresas privadas com influência política regional podem estar sendo beneficiadas por nomeações irregulares.
Hélio Costa não é o único parlamentar mineiro que nomeou jornalistas que atuam como repórteres políticos em Brasília. Outra profissional da mesma rede aparece entre os nomeados do gabinete do senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG).

Imprensa não quer investigar a "lama" de outros senadores

O blogueiro Ricardo José Delgado [Noblat], do jornal O Globo, acusou o golpe, e já deixa transparecer através de seu blog que a oposição começa a "amarelar". Quando senadores peemedebistas decidem denunciar ao conselho de ética senadores da oposição, qualquer jornalista vibraria com a expectativa de notícias e furos que estão por vir, no entanto o blogueiro do PIG, já desqualifica os denunciantes antes mesmo das denúncias acontecerem.
Em clara atividade jornalística com conotação político-partidária em proteção aos senadores demo-tucanos, já afirma que o PMDB, ao "espalhar a lama, todos (os senadores) se salvam".

Ora, isso é uma confissão de que o PIG (imprensa corporativa) protege a corrupção demo-tucana, uma vez que se as denúncias ampliarem o foco para além de Sarney, admite que a própria imprensa fará acabar em pizza.
Se a imprensa NÃO SE CORROMPESSE e cobrisse as denúncias que o PMDB fizer com o mesmo ímpeto que fazem contra Sarney, não se salvaria ninguém. Agora se a imprensa "amarelar", se CORROMPENDO igual no caso Renan, mudando de assunto, esquecendo Sarney para tirar o foco das mazelas do TODO o Senado, visando poupar os demais senadores demo-tucanos de desgastes ou cassação, aí a lama salva todos mesmo, como sempre tem acontecido no Senado.
Blogueiro recebe 24% a mais do que funcionário do Senado, por um trabalho de 1 hora por semana
O blogueiro recebe seu "mensalinho" do Senado (dentro da lei, calçado por contrato) de R$ 3.360,00 por mês para apresentação e produção de um programa por semana para a Rádio Senado com 1 hora de duração.
Clique aqui, aqui e aqui para ver os detalhes, se não acompanhou o caso.
O valor mensal é 24% mais alto do que ganha o funcionário do Senado, indicado por Sarney, cujo salário é R$ 2.700,00 por mês, para trabalhar no serviço médico.
Se compararmos o custo por hora de trabalho realizado, o valor da hora é R$ 15,34 para o funcionário inicado por Sarney, e R$ 840,00 para o blogueiro Noblat.

O Senado precisa de uma faxina moralizadora, com a eliminação dos cabides de emprego, e precisa que cargos técnicos, realmente necessários, sejam preenchidos por concurso público.
Mas também é preciso limpar "a lama" dos diversos "mensalinhos" pendurados no Senado, até em valores bem mais altos do que muitos empregos apadrinhados por senadores.

Serra se irrita com candidatura de Ciro ao governo de SP

O governador tucano José Serra (PSDB/SP) já não consegue disfarçar em público sua irritação com as conversas em torno da candidatura de Ciro Gomes ao Governo de São Paulo.
Na noite de quinta, 23, ao participar de evento ao lado do governador José Roberto Arruda (DEMos/DF), em Brasília, Serra decidiu lançar Arruda ao Governo paulista, em tom de galhofa.
Foi uma tentativa de debochar da candidatura Ciro no mesmo dia em que o presidente Lula declarou em entrevista que o PT paulista precisa levar a sério a candidatura de Ciro.

Lula: Ciro em SP é para se levar muito a sério

O presidente Lula voltou a pregar, de maneira mais direta, o nome de Ciro Gomes (PSB) para a sucessão de José Serra (PSDB), ao governo de São Paulo.
Durante entrevista à rádio Globo, o Presidente disse que o PT deve ter “maturidade” para a formar um palanque que garanta ao partido uma vitória na eleição do ano que vem.
Perguntado se um bom nome seria o de Ciro, o presidente manifestou gostar da ideia:
"Não sei se o Ciro Gomes quer ser candidato em São Paulo, mas obviamente que o Ciro Gomes é sempre uma grande oportunidade. Um homem altamente preparado, um companheiro da mais alta competência. Se ele quiser ser candidato em São Paulo e conversar com o PT, acho que é uma boa conversa e o PT precisa levar muito a sério essa possibilidade".

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Lula volta a criticar condenção prévia da imprensa e defende Sarney

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em entrevista concedida para a Rádio Globo (escute aqui), voltou a criticar a condenação prévia feita pela imprensa e pediu um julgamento correto dos escândalos que envolvem o presidente do Senado, José Sarney.
“Eu sou presidente há seis anos, mas antes de eu ser presidente, eu era cidadão que ficava em casa ouvindo rádio, vendo televisão e eu sei o impacto das notícias tal como elas são dadas. Então, a única coisa que eu quero é o seguinte: é justiça. Que se investigue corretamente, que se apure corretamente, que se puna corretamente”, afirmou Lula.
O presidente defendeu que, apesar das denúncias, Sarney deve continuar no cargo, já que o caso ainda não foi investigado nem julgado.
Lula também relativizou os supostos crimes cometidos.
“É preciso saber o tamanho do crime, ou seja, uma coisa é você matar, outra coisa é você roubar, outra coisa é você pedir um emprego, outra coisa é relação de influências, outra coisa é o lobby. O que eu acho é que nós temos que fazer as investigações corretas", disse.

Novo código de ética do PT considera “infração ética grave” vazamentos à mídia

De acordo com o novo código de ética do PT, divulgado no último dia 22/07, o vazamento, sem identificação da fonte, de fatos relativos a investigações contra seus partidários é considerado "infração ética grave".
"Será considerada infração ética de natureza grave (...) o vazamento de qualquer informação de natureza patrimonial e pessoal obtida pelos órgãos partidários nos termos deste artigo, ressalvada a hipótese desta ser tida como elemento indispensável para a formação da convicção decisória tomada em processo disciplinar frente ao qual não caiba mais qualquer recurso a outra instância partidária competente para reexaminar a matéria", diz o documento.
Inspirado no episódio do “mensalão”, o novo código estava nos planos do PT há dois anos, época em que, se estivesse em vigor, impediria a divulgação de investigações contra o ex-tesoureiro Delúbio Soares, informa matéria publicada na Folha de S. Paulo de quinta-feira (23/07).
Entre outros pontos, o texto com 73 artigos, obriga o partido a divulgar periodicamente na internet a lista de empresas que fazem doações ao PT, mas não especifica o intervalo.
O código também proíbe arrecadação para outros partidos, como acontecia no mensalão, além de vetar a arrecadação dos filiados beneficiados sem a devida contabilização.
Fonte: Portal Comunique-se

Estudantes da UnB reagem à perseguição do DEMos contra cotistas negros

Foto: Marcello Casal Jr./Abr
O movimento negro do DF e a própria Universidade de Brasília (UnB) fizeram recepção especial aos calouros cotistas.
Foi uma espécie de resposta à ação do DEM contra cotas no STF.
No dia 20, o DEMos entrou com uma ação no STF pedindo a suspensão imediata do sistema de cotas para negros na UnB.
O DEMos pede a suspensão da matrícula dos 654 alunos aprovados pelo sistema de cotas no segundo vestibular de 2009.No primeiro semestre deste ano, 276 alunos ingressaram na UnB como cotistas.
O pedido liminar do DEMos deve ser apreciado pelo presidente do STF, Gilmar Mendes, por causa do período de férias do judiciário.

A advogada do DEMos é Roberta Fragoso Menezes Kaufmann (foto ao lado), procuradora-geral do Distrito Federal, cuja tese de mestrado versou contra cotas para negros nas universidades.
Foi Gilmar Mendes, que também é professor da UnB, quem orientou a dissertação de mestrado de Roberta Kaufmann. Roberta também já foi assessora do ex-presidente do STF, Marco Aurélio Mello, para quem fazia pesquisas e análise de processos, e a quem define como seu mentor intelectual

quarta-feira, 22 de julho de 2009

QUANDO SETEMBRO VIER

*Por Geraldo Elísio

“... Pelo que se nota que os homens são aliciados ou aniquilados.” – MaquiavelQuando setembro vier é possível que tenhamos profundas reviravoltas no quadro político brasileiro. Vamos às razões. Fala-se da possibilidade de renovação das casas legislativas até da ordem de 80%. Ressalvadas as exceções – no caso dos dois lados – ninguém acredita mais nos políticos brasileiros. Perdidos que eles estão num cipoal de contradições e práticas ilícitas que irritam o povo.Se eu sei disto, imagine o presidente Lula e os demais componentes do séquito? E se Lula sabe irá mover as peças no xadrez político. Sabendo que a proposição de um terceiro mandato é negativa, o que poderá fazer? Propor uma coincidência visando a unificação de todos os pleitos. Mas aí a oposição se levantará em armas. A opinião pública, nacional e internacional criticará o governo. As forças armadas poderão reagir. Lula sofrerá desgaste internacional.Qual nada. Sabendo não dispor de credibilidade popular e vendo ameaçados os seus mandatos, nem a situação ou a oposição irá gritar contra. Dilma, a mãe do PAC, que está mais para Denorex – parece, mas não é – não gritará por ter guardado vaga e sufocado o crescimento do nome de outro eventual candidato. Ficará satisfeita com mais dois anos para Lula e provavelmente continuará a frente da Casa Civil.
José Serra, o governador de São Paulo, o maior estado brasileiro, com a possibilidade de disputar mais um mandato também se sentirá confortável na certeza de ficar mais tempo no Palácio dos Bandeirantes. Em Minas, o governador Aécio Neves, em litígio com Serra e impossibilitado por regras constitucionais de concorrer à sua própria sucessão, de bom grado não irá protestar contra um mandato de 10 anos à frente do Palácio da Liberdade. E, de quebra, Lula resolverá a pendência entre Neves e Serra.
Assim sendo a mídia não protestará, a não ser um ou outro caso isolado, até porque a grande imprensa é gêmea siamesa da publicidade governamental. Somados todos os fatores, desaparece também a hipótese das repercussões internacionais e desgaste para “the guy”, copy rigth by Barack Obama, que teria sido mais adequado se a ele se referisse como “Wood Face” (o cara de pau).
Quanto aos militares, preocupados com assuntos mais sérios e circunscritos a uma esfera de pensamento voltado para questões relevantes, não irá interferir. Os militares brasileiros, apesar de envolvidos em muitos golpes, não têm a tradição de agir de moto próprio. Sempre saíram às ruas quando o povo foi bater às portas dos quartéis. Inclusive, em 1964, não foi diferente, ainda que consideradas as manipulações populares traçadas por alguns golpistas com o apoio inconteste da CIA.
Em relação aos militares brasileiros, outra coisa será se alguém pensar em desmembrar a Amazônia do Brasil ou algum oportunista ganancioso tentar entregar aos interesses econômicos internacionais o pré-sal. Mesmo com gente do porte de Daniel Dantas tentando vender o subsolo brasileiros aos gringos, os militares sabem – principalmente os da Arma de Infantaria – que para garantir a posse é preciso numa primeira etapa destruir e na outra subseqüente ocupar, manter. Não é sem razão que os melhores guerreiros de selva do mundo integram os Batalhões de Infantaria de Selva – BIS. Pode até parecer, mas BIS no caso não é marca de guloseima. Os inimigos não mandam flores e nem chocolate.
O povo, principalmente a classe média, não gostará. Porém, não ficará tão traumatizado em não ter de comparecer às sessões eleitorais para votar. Afinal a ponta da pirâmide – banqueiros, financistas e empresários - bem como a base - numa linguagem quase fora de moda, o lupen – estão satisfeitas. Principalmente se a Polícia Federal continuar desbaratando e prendendo as diversas máfias que se instalaram no Brasil.
Indignados mesmo deverão ficar o ex-presidente Fernando Henrique Cayman, o ex-presidente Itamar Franco, que não perderá a oportunidade de dar um novo “piti” e reafirmar a sua condição de “Galã do Paraibuna” e o colunista Diogo Mainardi. Nem Andrea Neves, o vice-governador Anastasia, o secretário Danilo de Castro ou o presidente da Assembleia, Alberto Pinto Coelho, chorarão. Só se for de alegria. Não é pois sem razão que o presidente Lula, “entre tapas e beijos” – não sei se são pagos direitos autorais ao compositor, instrumentista e cantor Leonardo – esquece o passado e afaga os ex-presidentes Fernando Collor de Melo e José Sarney.
Ele precisa de uma sólida maioria congressual para tudo dar certo.Não sou dono da verdade. Só acredito em uma verdade absoluta, aquela que é formada por um pouco da verdade de cada um dos seres humanos. Mas como o tempo passa rápido, não é demais esperar quando setembro vier, trazendo uma prorrogação. *Geraldo Elísio escreve para o Novo Jornal

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Juíz Proíbe Que Macaco Simão Escreva sobre Juliana Paes: Censura de Imprensa

Juiz proíbe que Simão fale de Juliana Paes, mas não impede o auto-retrato de Rembrandt.
Atriz alega que teve a honra atingida; colunista vê censura e diz que decisão tolhe liberdade de expressão.
Zurich - Saí correndo de Amsterdam. Depois de sete dias, sendo empurrado pela população e espremido nas ruelas e quase jogado nos canais, resolvi que essa foi minha trigésima e última vez na cidade holandesa. E como a ópera que estou produzindo é aqui, voltei correndo pra cá, só pra me deparar com esse ABSURDO, que leio na Folha! Ah, mas antes, preciso relatar algo.
Rembrandt, que sempre foi meu preferido (ao lado de Duchamp e Rauschemberg e Bacon - períodos diferentes, óbvio), me tocou dessa vez de uma forma muitíssimo peculiar.
Muitíssimo peculiar. Tive uma espécie de tontura, vertigem, quando peguei o bonde numero cinco e parei na porta do museu e subi pro segundo andar. Lá no cantinho, quase escondido, estava esse auto-retrato, que ele pintou aos seus 55 anos de idade:
Eu estou com 55 anos agora e… e o quê? Jamais achei que iria chegar a essa idade. Jamais achei que pudesse olhar no olho vivo desse quadro e dizer “caramba, estamos aqui, você e eu, em épocas diferentes – ele em 1633 e eu em 2009, mas ambos com a mesma idade”. Ele, um total gênio. Gênio dos gênios, da Ronda Noturna, da Dissecação do Cadáver. Aquele que meu mestre Ivan Serpa e meus pais me fizeram gostar. Não, não forçadamente, já que a paixão foi instantânea. E cá estava eu, como sempre estive desse lado do quadro, mudo, estarrecido e pasmo, já que não sou um personagem de Lewis Carroll.
Saí de Amsterdam meio atordoado. Também, com tanto cheiro de maconha no ar, quem não sairia? E tanta comida ruim: ah, descobri: só tem comida pra larica. Pizza, fries com maionese, mais pizza, uns indonésios fast food… muito Mac Donalds e Burger King (mais que em qualquer outra cidade que já vi!!).
Esse auto-retrato, mais que qualquer outro, me levou a um estado de emoção que poucas coisas em arte me levam. Pina Bausch me levava. Kazuo Ono e Sankai Juku me levam. E o levo comigo porque ele representa a grande quebra do homem que se olha no espelho na época logo após os descobrimentos e se pinta dentro de sua simplicidade sem ter que se “vestir”. Quem é de teatro sabe o que é “se vestir”. Retrato era coisa para realeza. Rembrandt começou a pintar o dia a dia das pessoas e de si mesmo. Foi o Tchecov da pintura, só que 300 anos antes de Tchecov. Dá um frio na espinha.
Pessoas que levam suas próprias imagens nas camisetas, como Jane Fonda, por exemplo:
Não sei que doença é essa. Ego? Nostalgia?
Mas a pior delas todas está aqui embaixo. Sim, porque ela demonstra total ignorância a respeito do veículo para o qual trabalha e não tem um pingo de humor a respeito dela mesma. Leiam:
“O juiz João Paulo Capanema de Souza, do 24º Juizado Especial Cível do Rio de Janeiro, determinou que o colunista José Simão, da Folha, se abstenha de fazer referências à atriz Juliana Paes, confundindo-a com a personagem “Maya”, da novela “Caminho das Índias”, da Rede Globo, sob pena de multa de R$ 10 mil por nota veiculada nos meios de comunicação. A atriz moveu duas ações de indenização, uma contra o jornal e outra contra o colunista. Ela alega que Simão “vem publicando reiteradamente nos meios de comunicação em que atua, sobretudo eletrônicos (internet), textos que têm ultrapassado os limites da ficção experimentada pela personagem e repercutido sobre a honra e moral da atriz e mulher e sua família”. Anteriormente, a atriz havia ajuizado ação só contra a Folha na 4ª Vara Cível do Rio de Janeiro, mas não obteve a medida liminar.” (e blá blá blá…)
A (sei lá se ela é atriz… pelo jeito não é!) censora, está com seus mecanismos de defesa em alta. Ah, entendi, ela não gosta que notem que sua bunda é grande, segundo esse relato.
Continuando… “do “colunista” sobre a “poupança” da atriz ou sobre o fato de sua bunda ser grande”, já que “sua imagem esteve e está à disposição de quem quisesse e ainda queira ver”, e qualificá-la “nos limites do tolerável””.
Meu santo Deus! Que ridículo! Atrizes do mundo inteiro estão fazendo um tremendo esforço para SAÍREM de si mesmas. Adotam crianças em países, digamos assim, em estado de guerra. Tentam ser ativistas políticas da melhor forma possível. E essa aí…?
“É coisa medieval”, afirmou. As advogadas Taís Gasparian e Mônica Galvão, que representam a Folha, consideram que a decisão do juiz Capanema de Souza “trata o humor como ilícito e, no fim das contas, é a mesma coisa que censura”.
Bem, Juliana Paes. Um dia, talvez bem mais próximo que você imagina, você estará virando um outro quadro de Rembrandt. Esse ai embaixo!
Afinal, atores ou não, artistas ou não: somos produtos PERECÍVEIS.
Gerald Thomas, 17/Julho/2009.

A morte cerebral do autodenominado partido dos trabalhadores

Aos 29 anos, o Partido dos Trabalhadores está tendo uma virtual morte cerebral.
É o que informam fontes fidedignas diretamente da UTI do Hospital da Praças dos Três Podres Poderes de Brasília, Distrito Federal.
Especialistas vindos dos principais centros de avaliação do mundo ocidental e cristão divergem sobre o tempo de sobrevivência vegetativa do partido totalmente acorrentado pelo todo poderoso príncipe operário.
Os norte-americanos vindos da Johns Hopkins University, onde Lula fez em 1973 um curso tão misterioso que não consta do seu currículo, acreditam que por sua origem em laboratório, com as bênçãos de Deus nas sacristias receosas do dia seguinte ao regime militar, as recentes alquimias poderão prolongar a existência da legenda, mesmo com o cérebro irremediavelmente putrificado.
Para eles, a transfusão do sangue recebido de José Sarney, Fernando Collor e Renan Calheiros poderá produzir um milagre: o corpo dispensará as funções do cérebro e o partido se nutrirá da química fisiológica prolongadora de alguns órgãos, especialmente do aparelho digestivo.
Como acham que tempo é dinheiro, os norte-americanos avançaram na manipulação da semântica: dinheiro é tempo, dizem convencidos de que o partido acumulou gorduras vitais no exercício físico do mensalão e de outros passos acelerados na busca da glamorosa vida mansa de invejável esplendor. Assim também pensam os israelenses, para os quais as recentes injeções de recursos públicos no sistema financeiro e na construção civil gerarão algumas células-tronco que salvarão a vida do partido e engordarão seus dirigentes, fecundando uma espécie de clone do moribundo, ao qual caberá representar a marca registrada, que tanto sucesso fez nos primeiros anos do novo século.
Os ingleses parecem mais prudentes. Às voltas com doença semelhante no seu Partido Trabalhista, acham que só um cérebro de platina, extraída das terras aparentemente indígenas, poderá influir no metabolismo de um grêmio que se esqueceu de tudo o que viveu até os 23 anos.
Todos admitem, porém, que o PT dos barbudinhos e cabeludos não tem mais chances de vida. A única saída será contaminar os outros parceiros do agonizante "campo progressista", de forma a impedir que se revitalizem com o inevitável passamento do partido que entrou em coma ao receber ordens expressas para obedecer cegamente ao mais antigo dos proxenetas da República, dotado de poderes como a onisciência e a onipresença, sobre o qual o popularíssimo presidente baixou o sacrário do homem sobrenatural, que paira acima de qualquer questionamento moral.
Fonte: Blog - Liberdade e Democracia

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Comissão do MEC quer desmembrar Jornalismo do departamento de Comunicação Social

O curso de Jornalismo pode se desmembrar da área de Comunicação Social e se tornar uma graduação autônoma. A medida é pauta de sugestão do Ministério da Educação (MEC) ao Conselho Nacional de Educação.
Caso o desmembramento seja aprovado, a graduação em Jornalismo se unirá a Cinema e Audiovisual, cursos que recentemente se desvincularam da área de Comunicação Social.
A discussão sobre o tema, iniciada em fevereiro deste ano, deve ter um parecer até um fim de 2009.
De acordo com o chefe do departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Paraná (UFPR), João Somma, o desmembramento do curso se deve à posição do Ministério, que classificou o Jornalismo como uma das quatro posições fundamentais para a democracia do país, ao lado de Pedagocia, Direito e Medicina.
O professor acrescenta ainda que a discussão sobre o desmembramento do curso é anterior ao embate em torno da exigência do diploma. A informação é da Rádio CBN Curitiba.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

PSDB QUER DAR GOLPE

*Por Geraldo Elísio
“Para realizar a obra de Deus, se necessário eu me alio até ao diabo” – Santo Agostinho. Não falta quem queira se aliar aos interesses internacionais.
Deus guarde o vice-presidente José Alencar, exemplo de força de vida. Os querubins guardem José Sarney. Com a autoridade de quem criticou o oligarca maranhense é preciso denunciar o golpe em marcha arquitetado pelo PSDB. Vamos por partes.
Qual a relação de causa e efeito estabelecida pelos oposicionistas sempre que piora o estado de saúde do vice de Lula? Simples. A hipótese de uma fatalidade aguça “vampiros” tipo Fernando Henrique Cayman (candidato a presidente da República), os governadores Aécio Neves e José Serra e o senador amazonense Arthur Virgílio (aquele que teve orgias em Paris pagas por Agaciel Maia e manteve por dois anos um funcionário de seu gabinete na Côte D’Azur, pago com dinheiro do povo brasileiro para fazer curso de especialização em cinema). Ou não foi feita uma “vaquinha” entre os senadores para pagar a posteriori o “empréstimo” feito a Virgílio? Foi.
Por que a histeria? Sarney não é santo, mas não é o único diabrete a circular pelos corredores do Congresso Nacional. Simples! Ele é o quarto na linha sucessória de Lula que disse irá se licenciar por seis meses para fazer campanha a favor da ministra Dilma Rousseff. O terceiro é o deputado federal Michel Temer, do PMDB de São Paulo, tido e havido como o vice de dona Dilma, num amplo acordo envolvendo o PT e o PMDB.
Na hipótese de Lula se licenciar, mesmo para fazer a campanha de Dilma, e eventuais problemas impossibilitarem a posse de José Alencar, para não se tornar incompatível, Temer não assumirá, restando a tarefa a José Sarney. Tudo que os peemedebistas não querem. Imaginem Lula nas ruas das cidades brasileiras pedindo o voto para Dilma e Sarney no Palácio do Planalto com a caneta na mão?
A possibilidade de vitória de Dilma crescerá em proporção assustadora. Serra, consciente de que Sarney não esquece o que ele fez com Roseana, quando o nome da atual governadora do Maranhão começava a se viabilizar como candidata à Presidência da República, logicamente irá preferir o conforto de recandidatar-se ao governo de São Paulo. “Mais vale um pássaro na mão do que dois voando”, diz o ditado popular.
Aécio Neves, por sua vez, cheira bem, fareja com habilidade a política. Ao detectar fumaça lerá a existência de fogo. Também fará opção pelo Senado. Para isto crucificará o vice Anastasia e lançará Itamar Franco para o Palácio da Liberdade. O “Galã do Paraibuna”, uma espécie de doutor Jekyll e mister Hyde da obra prima de Robert Louis Stevenson, “O médico e o monstro”, dialética dos valores morais da humanidade, que já intrigava os gregos antigos, não recusará poder e palácio à vista, principalmente para atender ao “Grupo do Pão de Queijo”. Entre os quais se sobressaem o ex-deputado federal Marcelo “Carne Moída” Siqueira, Henrique Hargreaves e o atual presidente da CEMIG, Djalma Moraes. Talvez possam até vir a explicar sobre “O Crime da Modelo”, ocorrido no governo Itamar, onde Hargreaves e Djalma foram citados pela promotoria em júri popular.Há pouco tempo foi comemorado os15 anos do Plano Real. Ninguém se lembrou de Itamar. Mas é provável que, seu lado doutor Jekyll, desprendido, o faça continuar a prestar vassalagem aos tucanos. Inclusive pedir votos para Fernando Henrique Cayman. Não foi para o PSDB argumentando que esta legenda está cheia de PHDs. Mas o seu lado Jekyll fez com que ele elegesse governador de Minas o neto de seu maior adversário político, o doutor Tancredo Neves. E Aécio, em tentativa de fracionar o PMDB, poderá devolver “a gentileza”, pois sabe que o ministro das comunicações Hélio Costa não disputará contra Itamar. O que prejudicará Dilma Rousseff e o ético ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias. O ex-prefeito de BH, Fernando Pimentel, o atual prefeito Marcio Lacerda e o seu vice Roberto Carvalho já estão sendo chamados por fontes petistas de “tucanos infiltrados” no PT. Registre-se, a memória de Tancredo Neves, dos mais importantes e respeitáveis políticos brasileiros de tantos conhecidos por este repórter, não merece tal jogada se ela vier mesmo a acontecer. A disputa presidencial pelo lado tucano pode recair então em FHC, Fernando Henrique Cayman, segundo o delegado Protógenes Queiroz, com suspeição nos casos do “Dossiê Cayman”, cujo mesmo policial federal afirma “ser falso, mas contendo indícios de improbidades”, da mesma forma que os casos Sivam e de manipulação da dívida externa brasileira para beneficiar interesses internacionais ligados a Daniel Dantas, também de acordo com Protógenes,“banqueiro condenado”. Dantas, amigo do ministro Gilmar Dantas (segundo o jornalista Ricardo Noblat), lembra a figura central de um romance de Fernando Pessoa: “O banqueiro anarquista.” O homem, segundo ele mesmo, em documentos apreendidos pela Polícia Federal, “olhos verdes sensuais”, é o próprio banqueiro anarquista. Não quer o Estado para impedir que ele se apodere de tudo o que o mesmo Estado possa oferecer em seu benefício.
Não tendo nada a perder “o farol de Alexandria”, copy right by o brilhante e íntegro jornalista Paulo Henrique Amorim, FHCayman disputará na tentativa desesperada de vencer e entregar o pré-sal a grupos internacionais em sua inesgotável cobiça sobre as riquezas brasileiras, construídas com o sangue, suor e lágrimas de nosso povo.
Claro, esta é uma análise sujeita a modificações, pois, de acordo com o ex-governador de Minas, doutor Magalhães Pinto, aquele que “não tem colegas de turma”, a “política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito, olha de novo e ela já mudou.” Vamos aguardar resultados.
Este espaço é permanentemente aberto ao democrático direito de resposta a todas as pessoas e instituições aqui citadas. gelisio@novojornal.com
* Geraldo Elísio escreve para o Novo Jornal

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Liberação da internet desafia candidatos de 2010

Aprovada na noite de quarta-feira (8) pelo plenário da Câmara, a reforma eleitoral vai trazer um desafio para os candidatos nas próximas eleições, especialmente aos menos ligados nas novas tecnologias.
Com a liberação do uso da internet nas campanhas eleitorais, aqueles que decidirem postular um cargo eletivo deverão se adaptar a uma nova maneira de se comunicar com os eleitores.
O substitutivo ao Projeto de Lei 5.498/09, elaborado por um grupo de trabalho formado em junho e assinado pelos líderes partidários, prevê a liberação de sites, blogs e redes sociais para uso em campanha a partir de 5 de julho de cada ano eleitoral.
Antes, como não estava previsto em lei, quase tudo na rede mundial de computadores era proibido. Só eram permitidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) as páginas oficiais com registro “.can”.
Parlamentares ouvidos pelo Congresso em Foco apontam que o substitutivo elaborado pelo deputado Flávio Dino (PCdoB-MA) não será responsável por grandes modificações na maneira como as eleições ocorrem no Brasil. Também não acreditam que deve diminuir consideravelmente o valor das campanhas.
Porém, lembram que a liberação da internet forçará os candidatos a saberem dialogar melhor com os eleitores.
“Esse projeto vai forçar os candidatos a modificar a maneira de se comunicar”, disse o líder do PSB na Câmara, Rodrigo Rollemberg (DF).

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Jornalista: PEC pede volta do diploma

Deputado apresenta proposta de emenda à Constituição pedindo a volta do diploma para jornalistas

Agência Brasil

Com o apoio de 191 deputados, a PEC (proposta de emenda à Constituição) que exige diploma de curso superior para o exercício da profissão de jornalista foi apresentada hoje à Câmara dos Deputados pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS). Agora ela será encaminhada à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) para analise. A proposta visa incluir na Constituição um dispositivo que estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de jornalista. A PEC também estabelece que nenhuma lei poderá conter dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação. Na justificativa à PEC, Paulo Pimenta afirma que "a história cansou de demonstrar que o jornalismo produzido por pessoa inepta pode causar sérios e irreparáveis danos a terceiros, maculando reputações, destruindo vidas e nodoando de forma irreparável o princípio democrático". Segundo ele, para se conseguir um diploma de jornalismo em curso superior de ensino, exige-se o efetivo e comprovado aprendizado de determinadas matérias aplicadas e fundamentais a essa formação. Segundo Pimenta, não é pelo fato de a profissão de jornalista não ter Conselho ou Ordem Profissional que não se exige qualificações específicas em lei. "Ante a inexistência de tais órgãos, se torna mais necessária a qualificação de seus profissionais junto às instituições de ensino superior", disse. Paulo Pimenta afirma ainda que o advogado, o médico e o engenheiro em razão das técnicas peculiares às atividades que exercem devem, antes, cursar as respectivas faculdades. "E não é diferente para o jornalista, o qual, além de operador da comunicação, conhecedor não só da palavra e da escrita, deverá, invariavelmente, ser também detentor de uma macrovisão do processo de produção da notícia, requisito este que, igualmente, se adquire nos bancos das universidades." Além da PEC apresentada hoje à Câmara, também já está tramitando no Senado outra PEC, de autoria do senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), apresentada nos últimos dias, visando incluir no texto constitucional a obrigatoriedade do diploma de curso superior em comunicação social na área de jornalismo para o exercício da profissão. As duas PECs foram apresentadas ao Senado e à Câmara depois que o STF (Supremo Tribunal Federal) rejeitar a exigência de diploma para o exercício da profissão.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Lula é modelo predileto de Zelaya

Da BBC Brasil
Zelaya tem sido acusado frequentemente por simpatizantes do governo interino do país de ter no venezuelano Hugo Chávez a sua principal fonte de inspiração.
"O presidente Zelaya sempre se sentiu mais atraído pela forma de trabalhar do presidente Lula e pelo modelo brasileiro do que por qualquer outro", afirmou Pastor.
O ex-titular da Cultura deu entrevista à BBC em um local de Honduras que não pode ser revelado, a pedido do entrevistado, uma vez que ele - assim como outros integrantes da administração deposta - está na clandestinidade, temendo retaliações por parte do governo interino.
De acordo com Pastor, Zelaya possui "um afeto muito profundo pelo povo pobre e um compromisso de trabalhar com esse povo. É algo que nenhum outro líder hondurenho havia explicitado, a intenção de lutar pela gente pobre deste país".
"E nisso, ele se identifica completamente com o presidente Lula", comenta.
Tanto é assim, acrescenta, "que vários conselheiros e ideólogos do presidente Lula foram enviados a Honduras para dar consultoria em programas do governo, como (o assessor especial da Presidência da República) Marco Aurélio Garcia".
Inspiração chavista
No entender de Pastor, a tentativa de atrelar Zelaya a Chávez foi exacerbada por grupos que ele acusa de controlarem os meios de comunicação do país. "Tivemos que enfrentar um grupo de quatro pessoas que controla 90% dos jornais e 80% das transmissões de rádio e TV neste país, e essas pessoas puderam apresentar à população a sua versão do nexo entre presidente Zelaya e presidente Chávez. "O ministro afastado não nega que exista um elo forte entre os dois líderes e que foi esta ligação que fez com que Honduras viesse a integrar a Aliança Bolivariana para o Povo da Nossa América (Alba), a aliança comercial comandada pela Venezuela e que conta ainda com Antígua, Bolívia, Cuba, Equador, República Dominicana, Nicarágua e São Vicente.
"É um nexo que existe. O presidente Zelaya trouxe o presidente Chávez ao país para firmar, em um ato público, a adesão de Honduras ao convênio da Alba. E através deste convênio, o presidente resolveu problemas que são estratégicos ao país", afirma. "O presidente resolveu o problema de abastecimento do petróleo graças a um valor preferencial oferecido pela Venezuela. A reação com o presidente Chávez era uma relação estratégica, mas nunca pudemos explicar à população que não era nada mais do que isso. Apresentou-se como se esta fosse uma relação perigosa."
Pastor nega também que a intenção do líder deposto em promover uma consulta popular, em 28 de junho, mesmo dia em que acabou sendo afastado do poder, tenha sido uma inspiração venezuelana.
"Não sei se começou na Venezuela. Desde os 2 anos de idade, fui criado nos Estados Unidos. E lá, em todas as eleições, há possibilidades de referendos sobre propostas específicas, que podem ser desde o matrimônio homossexual até o aborto. É algo perfeitamente normal desde que sou jovem. Me custa pensar que o plebiscito ou que a pergunta direta ao eleitorado seja algo inventado por venezuelanos."
Violência e guerra civil
Pastor diz que, dos ministros que estão na clandestinidade ele, provavelmente, é um dos que teria menos a temer, uma vez que não haveria mandados de prisão em seu nome. Mas, ainda assim, afirma ter receios.
“Eu tenho preocupações, é claro. Sei que já fui seguido e que pessoas já relataram ter sido detidas e perseguidas. Pretendo deixar o país. Já recebi ofertas de pessoas no exterior. E o farei, a não ser que o presidente regresse, e as coisas tomem um rumo inesperado.”
Mas ele é cético de que o regresso de Zelaya, por si só, possa sanar a situação no país.
"As pessoas estão mantendo expectativas difíceis de serem cumpridas. E o nível de confrontação no país está muito elevado. A única coisa que posso antever é mais violência. Nunca se sentiu em Honduras um risco de guerra civil. Hoje, sim, existe esse perigo. Porque há uma ampla base social para as duas posições, que estão completamente polarizadas."

SENADO: Comissão tem até servidor que já morreu

Único instrumento de fiscalização das contas bancárias mantidas em sigilo no Senado, a comissão interna formada por um senador e dez servidores é uma peça de ficção.
O grupo é integrado por funcionários que não mais pertencem aos quadros do Senado e até por um servidor morto em 2005. O grupo não se reúne há pelo menos cinco anos. Em tese, o colegiado deveria analisar as movimentações de três contas criadas para gerir as contribuições mensais dos funcionários que aderiram ao plano de saúde do Senado, mas essa tarefa coube exclusivamente ao ex-diretor-geral Agaciel Maia. As contas bancárias (duas na Caixa Econômica Federal e uma no Banco do Brasil) têm saldo de R$ 160 milhões e são movimentadas constantemente. As retiradas são realizadas sem controle e não há qualquer prestação de contas dos saques. A comissão, a quem caberia cuidar desse controle, ainda tem a mesma composição de 2003. Ainda consta como membro Celso Aparecido Rodrigues, diretor financeiro do Senado. Ele foi designado para o Conselho de Supervisão do SIS (Sistema Integrado de Saúde) em agosto de 2003 e morreu dois anos depois.

Duro na queda. José Alencar retorna a Brasília e retoma atividades

O presidente da República em exercício, José Alencar, já retornou a Brasília depois de receber alta do hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Ele foi internado na tarde de sábado após sentir fortes dores na região abdominal. Alencar tem um câncer nessa área. Exames indicaram uma obstrução parcial no intestino.
De acordo com seus assessores, Alencar chegou a Brasília por volta das 11h30. Ele foi almoçar. A previsão é que ele passa a tarde despachando no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), sede provisória do governo federal.
A deixar o hospital hoje, Alencar disse que não sente mais dores e que a obstrução intestinal foi causada por um descuido na alimentação. "O ritmo de trabalho é muito extenso e às vezes a gente exagera."
Ele disse que apesar de os exames ainda serem preliminares, o tratamento experimental contra o câncer a que está sendo submetido, em Houston, nos EUA, está dando resultado.
"Ainda é muito cedo, mas parece que o tumor está regredindo e a luta contra o câncer continua", afirmou.
Histórico
Em janeiro deste ano, o vice enfrentou cerca de 17 horas de operação para a retirada de nove tumores na região abdominal.
Os últimos exames do vice apresentaram a volta de 18 tumores na região. Uma nova cirurgia foi descartada e os médicos optaram por um remédio em fase de teste no Centro Oncológico MD Anderson.

Promotoria denuncia amigo de FHC e Gilmar Mendes, por lavagem de dinheiro

O banqueiro Daniel Dantas, do grupo Opportunity, foi denunciado pelo Ministério Público Federal, pelos crimes de lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira, evasão de divisas e crime de quadrilha e organização criminosa.
A denúncia detalha como o Opportunity, quando o grupo estava no comando da Brasil Telecon, financiou o “valerioduto”, esquema montado pelo empresário amigo e conterrâneo de Virgílio Guimarães, Marcos Valério.

Venda de veículos no primeiro semestre é recorde, aponta Anfavea

No acumulado do primeiro semestre deste ano, foram vendidos 1.449.787 veículos, equivalente a um acréscimo de 3% ante igual intervalo do ano passado.
Agora a Anfavea espera o melhor ano de sua história, com a projeção de que as vendas de veículos novos cresçam 6,4% em relação a 2008, com 3 milhões de unidades comercializadas. Antes, a expectativa era de queda de 3,9%, com 2,71 milhões de veículos.
Produção
Já a produção somou 283.875 unidades no sexto mês de 2009, com uma alta de 8,4% ante maio. Porém, em relação a junho de 2008, a produção de veículos caiu 8,2%. No acumulado de janeiro a junho deste ano, o setor produziu 1.463.707 veículos, o que representa uma retração de 13,6% em relação ao mesmo período do ano passado.
Ainda segundo a Anfavea, as exportações do setor totalizaram US$ 610,008 milhões em junho, o que representa um avanço de 1,5% ante maio e queda de 52,7% na comparação com um ano antes. No mês passado, foram exportadas 38.503 unidades a outros países, com leve alta de 0,1% no confronto com maio e baixa de 4,7% ante junho de 2008. No acumulado de janeiro a junho de 2009, as vendas externas caíram 51,1% ante igual período de 2008, para US$ 3,369 bilhões. No primeiro semestre deste ano, foram exportadas 199.052 unidades, o que traduz uma baixa de 47,8% ante o primeiro semestre de 2008.
A Anfavea espera um declínio de 5,2% ante 2008 na produção, para 3,05 milhões de veículos, contra uma expectativa anterior de queda da ordem de 11,2%.
Veículos flex
As vendas de automóveis e veículos comerciais leves modelo bicombustível (flex fuel) somaram 1.230.994 no primeiro semestre deste ano, o equivalente a 88,3% das vendas no período. Entre janeiro e junho de 2008, a participação dos veículos flex nas vendas era de 87,2%.
Apenas no mês de junho, as vendas de veículos nesta categoria totalizaram 260.208 unidades, com uma participação de 89,8% do total de veículos comercializados no mês passado. O resultado indica um avanço em relação ao desempenho de maio, quando a participação era de 88,7%, com 210.485 unidades. Os dados foram divulgados hoje pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).
Emprego
Ainda de acordo com a Anfavea, o setor automotivo encerrou o mês de junho empregando 119.511 pessoas, o que representa uma queda de 0,7% em relação a maio e de 5,6% na comparação com um ano antes.Em termos porcentuais, a maior baixa no número de empregados ficou com o segmento de máquinas agrícolas, cuja força de trabalho caiu 15,9% na comparação com junho do ano passado, passando de 17.148 para 14.427 vagas. Na mesma base de comparação, a área de autoveículos exibiu um declínio de 3,9% no contingente de empregados no período, saindo de 109.394 para 105.084 funcionários. Na comparação dos dados de maio e junho, o quadro de pessoal do segmento de máquinas agrícolas caiu 0,4% e o de autoveículos teve retração de 0,8%. Máquinas agrícolasAs vendas internas de máquinas agrícolas no atacado somaram 4.242 unidades em junho deste ano, o que representa uma elevação de 5,6% ante maio e queda de 16,6% ante junho do ano passado, segundo a Anfavea.
(Com informações da Agência Estado e do Valor Online)

domingo, 5 de julho de 2009

Igreja quer impedir eleição de corruptos

Por determinação da CNBB, padres pedem aos fiéis que assinem projeto de lei de iniciativa popular que barra a candidatura de políticos condenados pela Justiça em qualquer instância
Os padres brasileiros se transformaram em “cabos eleitorais” na caça a 500 mil assinaturas de apoio a um projeto de lei de iniciativa popular que poderá revolucionar o processo de escolha do presidente da República, governadores, senadores, deputados, prefeitos e vereadores no país.
A proposta impede a candidatura de condenados pela Justiça já em primeira instância, além de tornar o acusado inelegível por oito anos. Cerca de 800 mil eleitores já assinaram o projeto, que pela legislação precisa ter 1,3 milhão de adesões – 1% do eleitorado brasileiro – para ser enviado à Câmara dos Deputados.
Hoje, a inelegibilidade ocorre somente depois de esgotada toda possibilidade de recursos à Justiça. A determinação para que os padres arrebanhem apoio ao projeto partiu do comando da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O pedido por assinaturas é feito ao final das missas, sobretudo nos fins de semana, quando é maior a presença de fiéis.
Os padres distribuem as fichas de adesão ao projeto e pedem que sejam devolvidas preenchidas no sábado ou domingo seguinte. Com a estratégia, aplicada nos cerca de 40 mil templos que tem no Brasil, a Igreja Católica foi a responsável por aproximadamente 90% das 800 mil adesões ao projeto alcançadas até o momento, conforme dados da CNBB. Esse, no entanto, é o número já contabilizado.
Segundo o secretário executivo-adjunto da Comissão Brasileira Justiça e Paz da CNBB, Daniel Seidel, grande volume de fichas já foi enviado à sede da confederação, em Brasília, mas ainda não foi somado por falta de pessoal. “Estamos precisando de voluntários para ajudar na contabilização”, declara. Ainda conforme Seidel, o total necessário de adesões será alcançado em agosto.
O texto impede ainda a candidatura de ocupantes de cargos nos poderes Executivo e Legislativo que, diante de possível condenação na Justiça, se afastam dos postos para não se tornar inelegíveis. Pressão O secretário-adjunto afirma que a decisão da CNBB em participar da campanha, chamada Ficha limpa, foi uma forma de pressionar para que a reforma política seja realizada no país. “Só uma pressão maior da sociedade pode fazer com que o Congresso Nacional se posicione sobre o assunto”, argumenta Seidel.
Mas há ainda outro motivo. Há 10 anos foi aprovado pelos parlamentares o primeiro projeto de lei de iniciativa popular que previa punição para candidatos que utilizavam da compra de votos para se eleger, movimento também capitaneado pela CNBB. O sucesso da campanha anterior motivou a atual. A coleta de assinaturas teve início em maio de 2008. O planejamento da confederação, e das outras 40 entidades que participam da busca por adesões, prevê o envio do texto ainda este ano para aprovação pelo Congresso. Assim, o projeto já passaria a valer em 2010, quando serão eleitos o presidente da República, dois terços do Senado, deputados federais e estaduais. Assim que chegar à Câmara dos Deputados, onde o projeto será votado em turno único, todas as fichas serão conferidas. Pela legislação, as adesões a um projeto de lei de iniciativa popular precisam trazer nome e número do título de eleitor. É preciso ainda que o 1,3 milhão de assinaturas seja de moradores de pelo menos cinco estados, com pelo menos 0,3% do eleitorado de cada um. Depois da conferência, comprovado o cumprimento de todos os pré-requisitos, o texto terá que passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Em seguida, vai a plenário.
Os passos seguintes são a apreciação, também em turno único, pelo Senado e o envio do projeto para sanção do presidente da República. Histórico O projeto de lei de iniciativa popular que previa punição para compra de votos foi aprovado com rapidez pelo Congresso. Foi apresentado à Câmara dos Deputados em 10 de agosto de 1999 e aprovado em 21 de setembro. No Senado, a apreciação ocorreu dois dias depois, e a sanção, pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, no dia 28. Três projetos semelhantes ao que está em fase de coleta de assinaturas já tramitam no Congresso Nacional. Nenhum, porém, é de iniciativa popular. Foram apresentados pelo senador Pedro Simon (PMDB-RS). Um prevê a inclusão de reputação ilibada entre as condições para elegibilidade. Outro nega candidatura a políticos que respondam a processo judicial.
O terceiro prevê, além de reputação ilibada, idoneidade moral para candidatos. Os textos foram apresentados em 2007 e 2008, mas, até o momento, não chegaram ao plenário.
Fonte: Estado de Minas

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Brasília em Minas

Canteiro de obras da nova sede do Governo de Minas Gerais na divisa entre Belo Horizonte e Vespasiano em 11/05/2009
De tanto sonhar com o Planalto Central, o governador Aécio Neves (PSDB) resolveu levar um pouco de Brasília para Minas Gerais. Ao custo de R$ 890 milhões, o governo mineiro banca nova sede administrativa desenhada por Oscar Niemeyer. As curvas das duas torres principais da construção já mudaram a paisagem das Minas Gerais. A obra anda a toque de caixa, quem desembarca em Confins e segue rumo ao Centro parece ter voltado à Brasília. O centro administrativo mineiro é uma cópia com sotaque do conjunto de prédios que reúne Executivo, Legislativo e Judiciário no Distrito Federal. A diferença principal é a localização.
Enquanto em Brasília os pobres são empurrados para cidades satélites, em Minas o novo centro administrativo é cercado de bolsões de favelas. Bonito está ficando, mas quem vai sofrer para trabalhar são os 20 mil funcionários públicos do estado. A sede do governo vai ficar na divisa entre Belo Horizonte e Vespasiano, a quase uma hora do Centro, contando com o trânsito. O governo alega que economizará R$ 25 milhões por mês em aluguel transferindo a estrutura do Estado. Entram as curvas de Niemeyer e sai a imponência histórica do Palácio da Liberdade.
Brasileiros e Brasileiras

Fora Sarney!

Presidente da CCJ pede o afastamento de José Sarney e a demissão de Agaciel Maia
O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) deu entrada ontem (24/6), na direção da Casa, em um pedido de abertura de processo civil disciplinar para que o ex-diretor-geral, Agaciel Maia, seja demitido do serviço público. O parlamentar defendeu também o afastamento do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), das investigações dos atos secretos e nomeações feitas durante os 15 anos de gestão de Maia.– Depois de tudo isso ele (Sarney) ainda foi ser padrinho de casamento da filha do Agaciel. Eu não tenho nada com isso, ele tem as afeições dele, mas o próprio código de processo civil e o código de processo penal estabelecem casos de impedimento e suspeição, inclusive por foro íntimo – justificou o presidente da CCJ.
Demóstenes Torres disse que é difícil para o presidente José Sarney julgar alguém “de sua afeição”. O parlamentar não descarta a possibilidade de se instalar uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar as irregularidades administrativas no Senado. O senador José Nery (P-SOL-PA) anunciou que vai coletar assinaturas para a apresentação de um pedido de abertura de CPI. Demóstenes Torres disse, no entanto, que no momento este não é o caso.
Além do pedido de abertura de processo civil disciplinar, o presidente da CCJ também encaminhou ao Ministério Público um pedido de abertura de inquérito civil para investigar as denúncias contra o ex-diretor- geral e uma comunicação ao Tribunal de Contas da União (TCU) para fazer “uma varredura” na folha de pagamento do Senado. Para Demóstenes Torres a atitude de se misturar os atos secretos com outros publicados nos boletins administrativos do Senado foi proposital. Ele levanta a hipótese, inclusive, de alguém ter obtido vantagens com a nomeação de funcionários para gabinetes sem o conhecimento dos senadores.Quem anda rindo atoa é o senador petista Tião Viana, que foi atropelado por Lula e sua "base de apoio" a favor de Sarney.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Dilma dispara na corrida presidencial

Pesquisa do GPP, apresentada por César Maia, mostra candidata predileta de Lula em altaUma pesquisa GPP realizada em todo o Brasil, de 11 a 14 de junho, com 2 mil entrevistas, revela que Dilma Roussef (PT) tem 29% contra 46% de José Serra (PSDB) quando entre os candidatos não está Ciro Gomes (PSB). O PT esperava que Dilma chegasse ao patamar dos 30% apenas no final deste ano.Nesse mesmo cenário, quando se considera apenas a região Nordeste, Dilma marca 41,4% contra 37,6% de Serra.Quando Ciro Gomes está entre os candidatos, o desempenho de Dilma é bem pior: Serra 42%, Dilma 17% e Ciro 16%.Ou seja, dá para entender claramente porque uma ala do PT faz tanta questão de empurrar Ciro para ser candidato ao governo de São Paulo --abandonando a disputa presidencial.Tudo somado, esses números revelam que será muito competitiva a disputa para o Palácio do Planalto em 2010, com dois candidatos fortes pelo PT e pelo PSDB.
Serra está relativamente estável no patamar dos 40%. E Dilma aparece sempre com uma curva ascendente a cada pesquisa.O levantamento GPP foi divulgado hoje pelo ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM), em seu boletim diário divulgado por e-mail, o chamado “ex-blog”.Outro dado interessante, ou melhor, o que todo mundo já sabia, é a surra de Serra em Aécio.
Serra x Aécio.
Serra 59%, Aécio 25%. Sul: Serra 67%, Aécio 13%. Sudeste: Serra 52%, Aécio 34%.
Leia + AQUI no Blog do Fernando Rodrigues